HISTÓRIA

 

Apesar de ter sido fundado em 22 de outubro de 1985, o time azul e branco se profissionaliza apenas em 1992, disputando a Segunda Divisão Goiana. Em 1995, conquista o Vice-Campeonato Goiano da Segunda Divisão, vencido pelo Bom Jesus, conquistando assim a vaga na Primeira Divisão.

 

 

Penúltimo colocado no Estadual de 1997, o Aparecidense seria rebaixado para a Segunda Divisão, mas acaba não disputando.

 

Retorna à Segundona em 1999. Neste ano, foram promovidos 8 clubes, com o Aparecidense ficando em quinto, mas o clube pede licenciamento à FGF. Retorna em 2002, tornando-se o primeiro Campeão da Terceira Divisão Goiana. Logo após o término do torneio, o clube disputou a Segunda Divisão.

 

Novamente fica com o vice da Segundona em 2004 e conquista o acesso, em um quadrangular final conquistado pela Mineiros.

 

Em 2007, o time desiste da disputa do Campeonato Goiano, é rebaixado, e cede o lugar para a Canedense.

Em 2008, mais um acesso (e mais um vice campeonato), em quadrangular final vencido pelo Santa Helena.

Em 2009, a AAA fica em último lugar na competição e é novamente rebaixado.

 

Em 2010, juntamente com o apoio do prefeito Maguito Vilela, a AAA iniciou a disputa do Campeonato Goiano da Segunda Divisão e após o título conquistado voltou novamente fazer parte da elite do futebol goiano. Time Base: Flávio Mendes, Leonardy, João Paulo, Robson e Rodrigo Miranda; Giovane, Lusmar, Fabinho e Lindomar; Sandro Goiano e Diego Lira.

 

Em 2011, novamente com o apoio do empresariado local e da Prefeitura Municipal de Aparecida de Goiânia, a AAA no retorno a elite do futebol goiano fez bonito terminando na sexta colocação, tendo realizado grandes jogos. Time Base: Flávio Mendes; Leonardy, Preto Marabá, Martony, Robson e Xavier; Maurinho, Evandro e Washington; Diego Lira e Éder.

Em 2012, com um time que contava com os e

xperientes Alex Dias (Ex- Vasco, São Paulo, PSG) e Ze Carlos (Ex Corinthians, Botafogo-RJ e Goiás), fez uma bela campanha no Campeonato Goiano, onde brigou até na última rodada por uma das quatro vagas do quadrangular final. O ano de 2012 foi um ano histórico para o clube, no qual pela primeira vez disputou um campeonato organizado pela Confederação Brasileira de Futebol, levando o nome da cidade de Aparecida de Goiânia por todo o Brasil na Série D do Campeonato Brasileiro.

 

Em 2013, o clube mantém parceria com o Goiás Esporte Clube, que vai ceder jogadores que não são aproveitados para que a Aparecidense possa formar seu elenco para a disputa do Campeonato Goiano e Campeonato Brasileiro da Série D.

 

O clube ganhou notoriedade nacional e internacional após lance polêmico durante o segundo jogo das oitavas-de-final do Brasileirão-Série D, contra o Tupi. A equipe do Aparecidense se classificava com o placar de 2 x 2 até os 44 minutos do segundo tempo, quando o jogador Ademilson do Tupi chuta bola ao gol. A bola já ia entrar, até que o massagista Esquerdinha invade o campo, e tira o gol. No rebote, nova chance pro Tupi, mas novamente o massagista salva.[2] O lance causou indignação no jogadores, comissão técnica e torcedores do Tupi, que correram atrás de Esquerdinha para linchá-lo. Ele conseguiu correr até o vestiário e se esconder. Após cerca de 20 minutos de paralisação, o jogo foi reiniciado. O jogo teve mais 5 minutos, e terminou em 2 x 2, classificando o Aparecidense. O resultado gerou revolta nos dirigentes do Tupi, que entraram com recurso para anulação da partida, e desclassificação do Aparecidense por conduta antidesportiva

 

No dia 16 de setembro, por 4 votos a 1, o STJD desclassificou o Aparecidense do campeonato, que recorreu, mas por unanimidade a apelação foi rejeitada 10 dias depois, sacramentando assim a classificação do Tupi e a eliminação da equipe. O massagista ainda foi multado em 500 reais e suspenso por 24 jogos.[4]

 

Em 2015, o Camaleão realiza a melhor campanha da história e é finalista do Campeonato Goiano, mas é derrotada pelo Goiás na decisão. Porém, o vice-campeonato da Aparecidense foi muito comemorado pelo clube e pela cidade de Aparecida de Goiânia.

 

Em 2016, fez uma campanha abaixo do esperado no Campeonato Goiano. Porém fez uma campanha notável na Copa do Brasil, sendo o melhor dos goianos que disputaram. Eliminou o Sport/PE na primeira fase, ganhando os dois jogos, mas parou no Ypiranga/RS na segunda fase, perdendo por 3 a 1 na ida em Erechim e vencendo em Aparecida por 2 a 1. Na Copa Verde de Futebol, terminou em 4° na competição. Na Série D, foi eliminado pelo Ceilândia na segunda fase, após empatar por 0 a 0 em casa e perder por 2 a 1 em território candango.

 

Em 2018, com jogo único em Aparecida, eliminou o Botafogo de virada por 2 a 1 na primeira fase da Copa do Brasil, mas acabou parando no Cuiabá na fase seguinte. Foi finalista do Campeonato Goiano, mas novamente perdeu para o Goiás na decisão, ficando com o vice. Na Série D, foi eliminado na primeira fase, após ser derrotado pelo Novoperário/MS em casa.

Patrocinadores